Tisnado: o vendedor que tinha que mandar os clientes voltarem no dia seguinte

Tisnado: o vendedor que tinha que mandar os clientes voltarem no dia seguinte

seu-tisnado-pitangui

Venda do seu Tisnado por fora. Foto: William Santiago

Na vendinha do Seu Tisnado tinha tudo, tudo mesmo. Era tanta coisa que nem sempre ele encontrava o que o cliente queria e pedia que ele voltasse no dia seguinte pra buscar.

Não tinha nem jeito de falar que era para ele providenciar o que faltava. Naquela época, os mercadinhos eram abastecidos por viajantes que passavam na cidade. E como naquele tempo a pressa era bem menor, todo mundo entendia.

Com o tempo, o povo até se acostumou: quando sabia que precisava de algo ia com antecedência no seu Tisnado e fazia a encomenda. Ninguém nem cogitava a hipótese de fazer a compra em outro lugar porque os mercadinhos eram poucos na cidade, além disso, no seu Tisnado era certo de encontrar o que queria (no dia seguinte, claro), era só ter paciência. Quando o produto pedido estava fora das vistas ele falava:

– Oh fio, ter tem, mas preciso procurar. Cê volta aqui amanhã?

Quem era mais atarefado até mandava a meninada subir a ladeira e fazer a compra, ops, pedido. Porém, se tinha uma coisa que ficava no lugar certinho eram os jornais, pois nem era só mercadorias que o povo ia lá procurar. Seu Tisnado lia os jornais todos os dias e nunca os usava para embrulhar nada, via valor por demais nas notícias. Guardava todos. E como na época TV não era para todos, quem queria saber o que estava acontecendo no mundo ia lá. As publicações ele encontrava com mais facilidade do que certos produtos.

Olha a pilha de jornais. Fonte: Blog Daqui de Pitangui

Olha a pilha de jornais. Fonte: Blog Daqui de Pitangui

A prosa era boa também. Seu Tisnado lia muito, o que fazia dele um homem muito interessante. A resposta vinha certeira quando ele era perguntado. Quando por acaso a dúvida vinha, era só procurar na pilha de jornais para dar a informação certinha.

Sobre o texto:

A história do seu Tisnado foi contada pelo meu pai que morou lá em Pitangui. Complementei algumas informações e fotos do blog Daqui de Pitangui.

Errata: 

Seu Tisnado era tão bom comerciante que meu pai achou que ele era libanês, por isso na primeira versão deste texto eu coloquei o que me contou. Como podem ver abaixo, um parente do Tisnado me corrigiu, por isso editei o texto.

 

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Você tem 5 comentários
  1. Agostinho Luciano de Souza at 6:15

    Talita, uma correção.
    Tisnado, meu tio avô, nasceu e viveu em Pitangui.
    Nasceu, provavelmente em uma daquelas duas casas antigas em frente ao grupo novo, que já pertenceu ao meu bisavô materno, Luiz Cometa, de onde mudou ainda bem criança para aquele casarão onde existiu a venda e onde veio a falecer.
    Não tem descendência libanesa.
    As viagens que ele fez: a Pompéu, quando jovem, onde teve uma namorada, que cheguei a conhecer, já bem idosa, solteirona e apaixonada por ele; outra viagem, poucas vezes, bem poucas, foi a Belo Horizonte.
    Posso dizer que ele só viveu naquele local.

  2. Glayson at 3:30

    Oi meu nome Glayson
    Sou de Pitangui
    Obrigado por trazer lembranças do seu tisnado
    Pois eu era muito criança e me lembro muito bem da venda dele
    Mas não dos detalhes aqui falado
    Pois me lembro é que depois da aula passava nós na porta da venda e batíamos na porta pra ver ele nos chingar
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *