Bichinho-MG: mineirice feita à mão

Bichinho-MG: mineirice feita à mão

Bichinho, o nome da comunidade perto de Tiradentes ficou na minha cabeça desde a primeira vez que vi. Curiosa, comecei a pesquisar e a pensar em ir até lá cada vez mais. Deparei-me com fotos de lojas de artesanato, do Museu do Automóvel, de restaurantes de comida mineira e de uma gente simples, de sorriso fácil.

De perto, tudo é ainda mais bonito. Difícil acreditar que em um lugar tão pequeno cabe tanta beleza e que seja tão “movimentado”, no quesito “o que ver” e ouvir, no meu caso que adoro uma prosa. Entrei em mais de dez lojas de artesanato, saboreei a comida gostosa feita no fogão a lenha, andei em meio a casinhas históricas e hospedei-me em uma pousada que parecia casa de gente da família, a Baobá. Fiquei muito a vontade no ambiente rústico e com a Nice e seu Dilson, pessoas gentis além da conta, responsáveis pela pousada no final de semana que fui. Nice me contou porque Bichinho se chama assim (abaixo tem a explicação), preparou meu café da manhã, da tarde e o caldo da noite, mãos de fada.

Nice também comentou sobre o trabalho na comunidade, farto graças ao artesanato e a quantidade de gente que quer ter pelo menos um cantinho para descansar por ali, eu também quis, e quem sabe um dia não realize este novo sonho? Pelo menos voltar eu garanto que vou, para fazer o roteiro que os nativos me falaram ser legal e ouvir mais histórias, as dessa viagem eu começo hoje, pelo menos pro resto da semana (acho) vou falar sobre o que vi e ouvi lá.

Para começar, vai a história sobre o nome do distrito de Prados, pois acho que não há quem faça a pergunta:

Por que Vitoriano Veloso se chama Bichinho, afinal?

Reza a lenda que Vitoriano Veloso era o único filho de negro livre da região. Ele, que era pardo, comprava escravos para libertar e os levava para onde hoje é Bichinho, que oficialmente se chama Vitoriano Veloso. Na época, os libertos por Vitoriano viviam lá em segredo. Ninguém da região sabia que lá se formava uma comunidade. A versão que Vitoriano dava é que tinha uma fazenda a 7 quilômetros de Tiradentes. E para ver os irmãos libertos, sabe qual era a desculpa que ele dava? Que ia até a propriedade que possuía ver os “Bichinho”. Daí o povo pensava que Veloso ia ver o gado, as galinhas e vários outros animais.

Há outras versões para o nome da comunidade, mas esta é a que o povo do lugar mais conta e que deixa Bichinho ainda mais bonita. Além de lutar pela liberdade dos negros, ele foi figura importante na Inconfidência Mineira. Conhecedor das montanhas e trilhas mineiras, Vitoriano era o mensageiro do grupo. Segundo registros históricos, ele foi condenado a morte por levar informações até Tiradentes e os outros inconfidentes.

Próximos artigos:

– O que fiz em Bichinho
– O amor protegido pelas pedras
– A lenda do açoite
– Dona Carmen e o artesanato que foi parar na Globo

 

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *