Achar graça nem sempre é sorrir

Achar graça nem sempre é sorrir

Contar uma piada para mim pode ser um pouco frustante. Às vezes até acho graça, mas tenho dificuldades de rir, quem dirá gargalhar por causa da anedota. O mesmo acontece com filmes de comédias e até stand up comedy. E olha que teve um ano que fui a uns cinco. Lembro apenas de um que me fez rir demais. Não que os outros fossem ruins, mas tenho problemas para rir. Quem estava ao meu lado no teatro devia pensar que paguei ingresso à toa.

Não, eu não sou mal-humorada, pelo contrário, faço dos meus dramas muita piada e quase sempre consigo ver o lado bom de tudo. E só hoje descobri que tem nada de errado no meu riso difícil.

Ao ler “A arte de ser leve”, da Leila Ferreira, a escritora fala que apenas sorrir não é sinônimo de bom humor. Faz parte, claro, no entanto é bem mais que arreganhar as canjicas. É ver o que importa de tudo e rir do resto, transformar em piada de tão insignificante que é. Aí sim me transformo em piadista, acho que pouquíssimas coisas merecem ser levadas a sério, a ferro e fogo.

Não raro ouço que tenho uma expressão muito séria. Em uma dinâmica de grupo fui descrita como “cara fechada”. Realmente, meu riso não é tão solto. Desconfio que, por isso mesmo, eu tenha casado com um homem que sorri o tempo todo. Os comentários sobre o quanto ele tem o sorriso bonito (e espontâneo) chegam a ser tão frequentes quanto sobre minha expressão séria. Também admiro, demais, outras pessoas que vivem com um sorriso no rosto, sem precisar de muito. Faz parte delas, natural como abrir os olhos. Para mim, não é.

Já tentei trabalhar isso porque as pessoas me levaram a pensar que é um problema. Só que duas coisas me mostram que ter o semblante mais fechado pode não ser tão ruim. Uma tia séria, mas muito de bem com a vida, e a definição de humor da Leila Ferreira, que ultrapassa o sorriso.

O mais engraçado é que às vezes dou pala por coisa à toa. Rio de balançar como já contei aqui. Aquele riso que deixa a bochecha dormente, faz até chorar e a barriga doer. Só que isso é raridade. E quando acontece eu me realizo, pois rir de piadas, que são feitas com esse objetivo, já é um custo para mim, imagina de algo que aparentemente não tem graça! E o estranho é que acho graça em um milhão de coisas o dia todo, só não gargalho.

Acho que quando dizem que rir é o melhor remédio, sorrir pode ser metafórico. Rir aí na verdade é não dar tanta importância ao que me acontece e poderia virar um dramalhão danado, é achar graça no que é trágico, o que pouco resolve os problemas, mas me faz sentir melhor. Por esse lado sim, eu sorrio e muito, o tempo inteiro.

 

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *