A beleza do mar enluarado

A beleza do mar enluarado

A noite quase passava da metade no Rio de Janeiro, mas era clara, banhada por uma lua que parecia ainda maior refletida nas águas salgadas. Mineira, a moça tinha prova marcada para o outro dia e chegou na véspera, bem a tardezinha. Não via o mar há uns anos, aliás, viu, pela janelinha do ônibus quando chegou. O sol quase havia desaparecido, mas intencionalmente ficou um pouco mais no céu para ela ver o mar direito. Porém, daquele jeito, ela pensava, não valia. E mesmo com todas as recomendações de que ficasse em segurança no hotel, que era para se concentrar, decidiu aceitar o convite do amigo para conversar na beira mar.

Quando deu por si, fez de uma das pedras do Arpoador acento e na companhia de um amigo e um pescador passou umas duas horas vendo as ondas arrebentarem bem perto e a canção noturna do mar. A prosa também era boa e a preocupação zero. Vestibulanda de jornalismo, mal lembrava das estatísticas que os futuros colegas alardeavam nos jornais e deixava a mãe e a avó preocupadas com a intenção da menina de morar na Cidade Maravilhosa. Ela era leve e sabia que teria a proteção que precisava.

Chegou no quarto do hotel de fininho para não acordar a outra moça que iria fazer a prova no outro dia para Medicina e deitou-se. Ficou com uma pontinha de preocupação ao notar que a companheira de quarto havia estudado, os livros estavam na escrivaninha e ela preferiu ver o mar mesmo a noite em uma cidade pouco desconhecida.  No outro dia, durante o café, muita gente comentava que quase não dormiu, que o nervosismo tomou conta de todas as tentativas deles de relaxarem.

Ela não. Estava complemente bem e o som do mar ainda ecoava em sua mente. Fez a prova sem problemas e concluiu que o mar foi bem melhor do que tentar se concentrar de qualquer outra maneira. Ela só foi aprovada na primeira etapa do vestibular, na segunda ficou por pouco, mas teve uma noite completamente diferente, para os corajosos no Rio de Janeiro, o que já valeu a tentativa. Afinal, quem é que se aventura no Arpoador depois de meia noite? Poucos, poucos que sabem que o mar é tão bonito a luz da lua quanto com o sol carioca.

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *