Toque

Toque

Talvez você não tenha percebido, pelo menos eu demorei a notar, o quanto um gesto bobo sinaliza bem o futuro de um relacionamento.

Sabe aquele momento em que você está com uma pessoa de que gosta e um dos dois tenta tocar os dedos do outro? A reação a esse ato diz tudo sobre os momentos que virão. Quando a coisa é correspondida ela passa despercebida. Os dedos se tocam, brincam, viram até mão dada. Porém, quando os dedos se afastam, quando os dedos se afastam…

O afastar dos dedos é um sintoma definitivo. Engraçado que ele não é como o abraço de homem, que separa pela imposição da distância. Não! É mais como uma barreira ao laço emotivo, não ao fraterno. É possível sobreviver sem o tocar dos dedos, mas é uma questão de tempo até a falência de múltiplos órgãos.

Basta você se lembrar do que aconteceu depois que alguém negou tocar seus dedos. Não se lembra? Eu conto!

Foi um constrangimento sobrenatural. A expressão “ficar cheio de dedos” nunca fez tanto sentido. A impressão é a de que levantou-se um muro ali. Foi criada uma barreira quase intransponível.Quanto tempo você ainda continuou em contato com pessoas de quem você recusou o toque? Ou que recusaram um toque seu?

O entrelaçar dos dedos assusta muito mais que o maior dos beijos cheio de lascívia. É impressionante como tocar a mão do outro é um gesto infinitamente mais íntimo que enrolar duas línguas dentro de uma boca.

E o tocar dos dedos é também um divisor. Ele sapara algumas categorias de pessoas. Separa as que estão bem consigo mesmos daqueles que estão desesperadas por contato. Porque tem disso também. Pra tocar os dedos é preciso de um tempo próprio – e ele é lento! A urgência do calor não combina com o tocar dos dedos, que é leve, doce, sutil.

Ele separa também quem está pronto para se entregar ao outro de quem não está. Quem ainda sofre com as próprias dúvidas e dilemas não consegue tocar os dedos, porque é como se o enlace amarrasse também as pontas do relacionamento – que se quer evitar.

A última categoria que o entrelaçar dos dedos afasta é a dos que se interessam só pelo efêmero. Dos que, sim, querem só a língua quente no pescoço e na orelha.

Isso, aliás, não é pecado nenhum. Buscar apenas pelo amor em seu formato mínimo é completamente legítimo, só não combina com quem quer entrelaçar os dedos!

Precisa ter coragem pra se balançar no precipício do toque dos dedos, porque o resultado pode ser mortal – ou sublime. Pode ser o salto pra uma queda intensa e dolorosa.

Ou pode ser o impulso pra um magnífico voo acompanhado. Tudo depende, como diz uma música do Troye Sivan, de “reach out and touch”, de alcançar e tocar.

Written by Simião Castro View all posts by this author →

Simião é jornalista, repórter de política, escreve contos e crônicas. Também conta histórias em áudio, vídeo, o que você pedir, é produtor multimídia, saca um pouco de tudo. “Eu tento ser um jardineiro das palavras, um aventureiro das sílabas. Duvido de tudo e prefiro assim! As certezas me assustam. Quem tem certezas demais também”.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *