Sou de Ibitira, tem base?

Sou de Ibitira, tem base?

Quando eu saía da minha pequena cidadezinha não sabia ao certo dizer de onde era. Longe de ser por vergonha, porém porque muitos nunca tinham ouvido falar de Ibitira, fora do mapa por ser um distrito bem pequeno, mesmo que pra mim lá sempre tenha existido como cidade. Daí, eu sempre dizia ser de Martinho Campos, o que é verdade também, já que é a sede municipal.

Caso a pessoa dissesse que conhecia, de preferência com a pergunta exclamativa – “No, você é da Badia?!?” eu logo falava – “Na verdade sou de Ibitira”. E assim o papo ia longe sobre as pingas típicas, festas, comidas, pessoas… Pra ser mais sincera, eu sempre falava sobre Ibitira na conversa, mas quando a pessoa desconhecia Martinho Campos era muito difícil explicar.

– Onde é isso, no Norte de Minas?

– Itabira, terra do Drummond?

Eram perguntas comuns sobre minha cidade, muito distante de onde imaginavam. Engraçado é que quando a pergunta era feita perto de um conterrâneo se eu falasse que era da Badia era metralhada com o olhar e  “desmentida”.

– Ow, cê é da Bitira, mente não. 

Daí começavam a escarafunchar como e onde era o distrito.

ibitira-minas-gerais

Eu acho uma injustiça tremenda o povo desconhecer os distritos. Nenhum morador ou nativo do lugar considera-se pertencente à cidade de fato, como Martinho Campos, pois por mais que sejam grudadinhas cada uma tem uma identidade e vida própria. Até mesmo o que não é possível fazer no distrito tem algo de particular. Pra ir à Badia, por exemplo, ibitirense que é ibitirense, pelo menos uma vez na vida já foi de Sarandi, o ônibus local.

E tem distrito que tem rixa com o outro. Reza a lenda, desde que nasci, que Ibitira só não foi emancipada porque um dos lugarejos vizinhos não queria pertencer ao lugar, não sei o que há de verdade na afirmação. Correto mesmo é que todos, seja o Sacramento, Riacho, Boa Vista, muito menores que Ibitira, querem existir por si só, sem ter que se referir à sede do município. Assim, nem deixam que alguém fale que é da Badia, embora seja, oficialmente.

Depois de tantos anos fora, e consciente das minhas origens eu não falo mais que sou de Martinho Campos. Dependendo da pessoa, eu solto logo a conhecida expressão:

Sou de Ibitira, tem base? 

A pessoa vai rir demais por conhecer o lugar ou por causa da expressão curiosa. Tem base significa tem embasamento, tem cabimento, condições…

Eu tenho repetido muito o nome Ibitira e escrevo frequentemente sobre lá, pois até mesmo quem conviveu comigo muito tempo fazia confusão com o nome da cidade. Quando me formei a família de uma amiga mandou um cartão para o meu endereço ibitirense, entretanto trocou por Itabira. Tudo estava certo, menos o nome do distrito, demorou meses pra chegar, quase que eu já estava concluindo a pós quando o Correios deu por si que era no distrito martinho-campense que o cartão teria que chegar.

Mesmo que não coloquem Ibitira no mapa, que o distrito nunca seja elevado a município eu vou fazê-lo existir em minhas histórias. Depois que comecei a falar de lá aqui no blog muita gente não só pronuncia corretamente o nome da cidade, pra mim nunca será distrito, como me diz que quer conhecer. E mesmo que digam que é vilarejo, lugar de criar lobo, é pra lá que sempre vou e quero voltar independente de onde eu esteja.

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Você tem 7 comentários
  1. Silmaejuliano@hotmail. Com at 0:50

    Talita é muito bom ler seus textos mais quando se trata de Ibitira, meu Deus é melhor ainda rsrsrs. Moro aqui a minha vida inteira e tem coisas que vc escreve que ainda é surpresa pra mim rsrs
    Parabéns, mais uma vez!!!!
    Abraços

  2. Conceição at 1:08

    Ibitira é tudo isso mesmo Talita…temos que nos orgulhar sim de nossas raízes. Parabéns pelos textos que escreve ,sempre leio e gosto muito.ABS.

  3. paulo rodrigues at 1:43

    Talita que lindo , nunca pare de escrever essas maravilhas , Ibitira é terra de gente com veia artística ,s empre foi desde que coheço lá …. eu tambem escrevo sobre minha pequena cidade e me refiro a ela como um presépio armado por Deus no Campo das Vetentes.

  4. Neusa Silva at 16:01

    Sou a Neusinha do Zezé da Fia e sou de ibitira, tem base?
    Tipo isso, neh Talita?
    Amo ler seus textos. Eles me fazem viajar no tempo e recordar tantos momentos bons que lá vivi.
    Parabéns pelo blog, ficou top! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *