O que a Maju Coutinho e a caveira têm em comum?

O que a Maju Coutinho e a caveira têm em comum?

Faz muitos anos, mas todas as vezes que vejo uma manifestação de racismo, como a absurda de hoje contra a Maria Júlia Coutinho, ou qualquer outro tipo de discriminação me lembro de uma menina que esperava o horário para fazer a unha no salão e conversava com a manicure. Era uma típica roqueira, apenas o cabelo era colorido, e como, devia ter todas as tonalidades do arco-íris para compensar o visual dark. Ela afirmava que a mãe não entendia o porquê das preferências dela, especialmente sobre as blusas estampadas com caveiras, ela tinha praticamente uma coleção, dizia. O argumento que ela sempre usava com a mãe é que a caveira não é um símbolo de morte e sim de igualdade.

O que mais me chamou a atenção é como uma adolescente que seria notada em qualquer ambiente, por se vestir de maneira tão diferente, não se esquecia que no fundo era igual a todo mundo. E ela continuava a falar sobre as escolhas que fazia no dia a dia. Ressaltava que vestir-se de preto e com a imagem da caveira era apenas um detalhe; na escola, ela garantia, tirava boas notas, sempre chegava em casa nos horários marcados, mas curtia rock, cabelos coloridos e muita coisa visual dessa tribo. A manicure não se aguentou e disse que as pessoas eram julgadas pelo que vestiam e provavelmente dia ou outro a menina teria que ceder a pressão para arrumar um emprego. Aí ela disparou:

— Mas a minha intenção é ter uma loja de moda para roqueiros, acho que eles vão curtir as roupas e o meu cabelo – afirmou.

A manicure só não ficou mais quadrada por falta de espaço e cada vez mais eu curtia a menina falar de maneira tão leve sobre escolhas e igualdade. Tanto que quando bati o olho nos comentários racistas dirigidos à Maju lembrei logo da caveira citada pela adolescente. Eu não sei se ela abriu a loja com moda heavy metal, mas tenho certeza que se indignou também. Apesar de se diferenciar tanto, ela sabia que no fundo era igual a todos os outros, que o estilo que gostava dizia muito sobre preferências musicais e estilo de vida, entretanto, pouco sobre o caráter, habilidades e talento.

É até por causa dos talentos e toda qualificação de Maju, que a levou onde está, que acredito que ela não tenha dito nada, ainda, sobre os comentário. Nesta sexta ela já apresentou o tempo no Jornal Hoje, mais tarde fala sobre as notícias meteorológicas no SPTV e para fechar no Jornal Nacional. No Twitter ela continuou a comentar sobre se faz sol ou frio, a defesa ficou por conta da legião de fãs, por meio da hashtag #somostodosmajucoutinho, e quem fica indignado com a capacidade que o ser humano tem de se esquecer que não existe raça negra, parda, ariana ou seja lá o que for. Eu sei que já falei isso em vários artigos, mas parece que muita gente ainda não sabe, entende. Então, repito:

Antes de sermos gays, brancos, negros, mulatos, somos todos da raça humana e ponto.

É por isso que a menina no salão, a primeira que falou sobre a caveira e o significado de igualdade dela, nunca me deixou esquecer que julgar-se superior ao outro é negar o que somos. #somostodosmaju #somostodosdanielalves #somostodoscaveiras

maju coutinho e caso de preconceito

Os que esqueceram que são todos caveira

 

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *