Mineiros ao mar – Parte II

Mineiros ao mar – Parte II

Um moedense me contou o time de futebol “Joelho d’água” tinha como tradição jogar uma partida anualmente em Guarapari, no Espírito Santo. Depois da disputa, o que interessava mesmo era o banho de mar, independente se tivessem ganhado ou perdido. O que importava era competir passear na praia, beber uns goles, fazer bagunça, ter muita história para contar.

E foi uma mistura de tudo isso que provocou uma pequena grande confusão.

A equipe era toda banguela e os “dentes” mal-ajustados não resistiam à força das ondas. Só que todos os jogadores usavam dentadura e eram doidos com o mar, sonhavam todo dia com a hora do time chegar à Guarapari mais pela praia do que pelo campo. Um deles até pegou o sorriso em meio a uma onda. Foi aí que o centroavante resolveu cuidar dos pertences dos companheiros enquanto tomava uma branquinha.

O time entrou no mar desfalcado, sem dentes e um dos jogadores, que preferiu ficar na areia. Ele deixou as dentições todas sobre uma canga que a mulher obrigou-o a levar. Enquanto os colegas aproveitavam o mar, ele se deu conta do quanto estava feio aquele monte de dentadura e tratou de colocar tudo numa sacola que tinha à mão.

A turma voltou e ficou doida, sem saber como faria para reaver o sorriso certo. Foi um tal de experimentar e ver se não ficava muito bamba ou apertada na boca, teve gente que só conseguiu pegar a dentadura certa quando um dizia que tava frouxa demais e o companheiro era mais boca aberta, devia ser dele. Porém, até hoje não se sabe se todos os jogadores do Joelho d’água conseguiram reaver os dentes certos. Correto mesmo é que ninguém deixou de entrar no mar ano após ano, mesmo com o risco de ficar banguela de vez.

Observação:

Leia os causos do Mineiros ao Mar 1 neste link – tem história de banguelas e muitas outras.

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *