Lua Nova: um pouco de poesia

Lua Nova: um pouco de poesia

Confesso, fiquei anos sem ler um livro de poesias completo, li muitas avulsas, leio sempre, mas uma obra completa fazia anos. Retomar a leitura dos versos com Lua Nova foi um presente – primeiro porque veio das mãos do autor, Osvaldo André de Melo, segundo por ser lindo e trouxe memórias, saudades, reflexões sobre o fazer poético, amor, sexo, Deus e tantos outros temas que cabem nas linhas e entrelinhas de poemas.

Há poemas que são como  haicais, curtos e profundos, outros ocupam duas páginas. Alguns brincam com a forma disposta no papel, possibilitam uma leitura além das palavras, mania deste gênero largo, elástico. Também há várias referências e dedicatórias a pessoas conhecidas de Osvaldo, estudiosos e outros. Quando eu sabia quem para quem era o poema a leitura ficou mais interessante, carregada de mais sentido.
Lua Nova também mostra a universalidade dos versos. Há um poema que chora as mazelas que a mineração provoca na rica Minas Gerais. Durante a leitura torna-se impossível não fazer um paralelo com a tragédia de Mariana.

Poemas e poetas são visionários, carregam tantas verdades e realidades que quando são escritos até desconhecem algumas, como se fosse uma intuição, algo assim, no meu entender.

Fiquei tocada com várias poesias e deixei muitos trechos marcados, sejam por falar de mim ou de algo que percebi. Porém, Osvaldo foi além, li o que passava a todo tempo diante dos meus olhos e eu não enxergava. Foi como colocar óculos, arregalar os olhos para o que o dia a dia deixa nublado.
Lua Nova vai para minha estante para sair de lá sempre. Estou certa que vou folheá-lo, voltar nos trechos marcados e ler mais do que vi da primeira vez. Se não há escrita definitiva como fala Osvaldo, leitura tampouco, se renova a cada lida, amplia-se com os dias, fases da vida…

Separei alguns para deixar um pouco de poesia no meio de tanta prosa.

Lembrei dos companheiros que adoram viola

Lembrei dos companheiros que adoram viola

Verdade!

Verdade!

Sobre o poder do medo

Sobre o poder do medo

poema-osvaldo-andre-na-curva-do-rio

SORTEIO:
Eu não só recomendo o Lua Nova como vou sortear um exemplar juntamente com dois outros livros, CDs e marcadores do Texto do Dia. Veja aqui como concorrer e boa sorte!

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Você tem 3 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *