A revolta dos corretores

A revolta dos corretores

Desde o surgimento do MS-DOS que os computadores, a internet e agora os celulares levam a culpa de as pessoas não saberem escrever. Acredito que os enlouquecedores corretores ortográficos chegaram para dar um puxão de orelha na galera: sem os olhos humanos nada pode ser perfeito. É por isso que eles têm feito a gente pagar tanto mico, para prestarmos mais atenção quando digitamos. Apertar e enviar sem reler a mensagem pode ser desastroso, nos obriga a usar o asterístico (*) como forma de corrigir o que acabamos de mandar.

E tenho razões para dizer que toda loucura foi planejada.  Um aparelho através do qual é possível confirmar dados com pesquisas ou telefonemas, armazenar ideias que tive ao longo do dia no bloco de notas, aplicativos, só pode ficar revoltado quando jogam a culpa da falta de dedicação dos homens às palavras nele. Aaaah, há muitos e muitos recursos para tornar o usuário melhor em várias áreas. A Academia Brasileira de Letras, por exemplo, tem um aplicativo no qual tira-se dúvidas ortográficas em um segundo, igual no site.

Se eu fosse um smartphone nunca aceitaria carregar este peso, já teria smart (inteligente em inglês) no nome;  a capacidade de armazenar fotos, texto, áudio, vídeos, e-mail, toda matéria-prima para uma reportagem, um post e ainda diriam que eu sou culpado pelos erros ortográficos e gramaticais? Sem essa, sairia da minha condição de objeto inanimado e diria:

Grandes escritores já têm armazenado referências nos telefones, criam obras-primas e você vem dizer que por causa de mim não consegue uma boa nota? Por que em vez de trocar só notícias fúteis não cria grupos de discussão? Leia e-books na minha tela dentro do busão, é assim que posso te ajudar. Aproveite o que te ofereço para o bem.

Acredito que é isso que os corretores têm tentado gritar quando trocam inflável por infalível; boleta por bikers; hits por hora. Tem momentos que até novos vocábulos me apresentam. Minha irmã escreveu “Daqui a uns dias” e o enlouquecedor mudou para “faquinos” traduzido no dicionário como “moço ou varredor da igreja patriarcal de Lisboa”e ainda “mariola”.

Os corretores ortográficos se revoltaram mesmo, nos dão olés a todo momento.

Se nas mãos de gente inteligente ajudam a construir um mundo de conhecimento, caso contrário, nas mãos de quem pouco se desenvolve, será a principal desculpa para o fracasso. Porém, isto parece ser bem típico daqueles que não vão pra frente, em vez de procurar corrigir os erros, culpam qualquer coisa ou pessoa que esteja a frente.

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Você tem 4 comentários
  1. Iris at 22:26

    Cara, só li verdades. Eu sempre fico vigiando as coisas que escrevo no celular. A facilidade de digitar só deslizando o dedo pela tela com o ´´ escritor inteligente“ que meio que adivinha o que você quer escrever faz com que as pessoas fiquem preguiçosas. Ai mandam a mensagem errada, e PRINT, cai na rede. Acho que isso é uma espécie de castigo pra quem nem pensa em ver o que está escrevendo antes de enviar o sms.

    minhaspalavrasoblog.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *