A descoberta depois do casamento que ninguém me contou

A descoberta depois do casamento que ninguém me contou

Casei enganada. Minha mãe falava que meu marido seria diferente da época do namoro; meu pai também; tias casadas; amigos… Nem assim eles conseguiram fazer todos os alertas possíveis. Falaram-me sobre o carinho que às vezes viria com menos frequência, os agrados também. Eles estavam errados, teve uma descoberta depois do casamento que me surpreendeu. Ninguém me contou que eu conheceria o raro mau-humor noturno, o qual pode ser tão forte quanto o matinal.

Meu marido depois que começa a cochilar torna-se outra pessoa. Se faço uma pergunta a resposta é atravessada e nem fico ofendida mais. No outro dia, às 5h, ele acorda com o despertador e eu com um beijo dele. Às vezes rola até uma declaração e segundo ele eu resmungo, sou grossa. Nenhum de nós sabe o que disse para o outro; nem eu de madrugada tampouco ele quando já adormeceu e eu tento pegar no sono, mas teimo em conversar. No início eu ficava chateada porque sempre tive empregos nos quais o turno terminava por volta de 20h, 21h. Raramente chegava em casa e ia direto para a cama, pois meu cérebro demora a desligar para conseguir descansar. Ele é o oposto de mim nesse sentido, os trabalhos começam antes de o sol sair e dão uma canseira que dispensa qualquer tipo de desligamento cerebral à noite; o cansaço basta para o sono vir pesado.

Eu tentei acompanhá-lo. Depois que tive meus horários flexibilizados comecei a ter como meta estar no batente por volta de 6h30 para 19h no máximo desligar o computador. O problema é que minha mente se habituou a trabalhar melhor quando o sol se vai. Se começo a produzir e flui nem lembro da meta e madrugar no dia seguinte torna-se impossível. Por isso, conformei-me com os resmungos noturnos dele e rimos do que falamos um para o outro sem a mínima noção das ofensas que trocamos. Vai ver que é o troco que damos, inconscientemente, já que não lembramos.

Assim convivemos. Eu juro que não fazia ideia de que pudesse existir o mau-humor noturno. Durante o namoro a gente passou muitos fins de semana juntos, mas é diferente, entre o levantar e despertar normalmente tinha uma festa, um barzinho que muda a rotina do sono. Depois do sim é bem diferente. E acredite, influencia bastante no dia a dia do casal, pelo menos até aprender a conviver com o fuso horário trocado. Eu tentei ajustar meu relógio ao dele, não deu. Foi mais fácil entender que diferenças existem para serem respeitadas.   

 

Written by Talita Camargos View all posts by this author →

Talita Camargos é jornalista e flerta com a literatura, procura inspiração em conversas de ônibus, flores, familiares e amigos. Idealizou o Texto do Dia e publicou nos 365 dias de 2015 neste blog como desafio pessoal.

Oi, o que achou do texto de hoje?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *